Tu és aquilo que eu não posso ter…

Tu és aquilo que eu não posso ter, tu és aquilo que eu não quero ter e por isso desejo-te.
Porque és o fruto proibido, aquele que se encontra no ramo mais alto da árvore.
É quase impossível lá chegar mas, é lá que o sol brilha com mais intensidade e faz com que o fruto seja mais saboroso.
Já nos tocamos 9 vezes e eu conseguiria descrever todos esses momentos.
Simplificando são momentos de puro desejo carnal, alimentados pelas nossas conversas. Diálogos munidos de loucura e criados através de uma interligação de semelhanças e discordâncias entre nós.
Nos nossos olhares, sabemos que nada sabemos um do outro e que dia a dia vamos descobrindo sempre novos inícios ou conclusões sobre o desenvolvimento do interesse.
Como se no futuro fossemos capazes de descobrir o porquê disto ou daquilo. Não me parece que mesmo juntando as peças todas do puzzle iremos desvendar o que nos aconteceu.
Existe algo que nunca vamos conseguir decifrar, esse algo só é explicado quando estamos juntos e permanece no espaço que nos envolve. Está lá mas é transparente e irreconhecível a todos os sentidos, à excepção do tacto talvez este seja o sentido que mais capta as variáveis deste desejo que até agora é interminável.

Enviado por: Rita Lopes

Tu es

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *