Um estranho no ninho

Um estranho no ninho
Hoje vi um programa diferente na TV. Nome: “Sexo(Estranho)”*. Nele, as pessoas falavam de seus fetiches, seus problemas sexuais e tudo mais que pode parecer estranho na vida sexual. Os três casos apresentados são dignos de nota. O primeiro, era de um rapaz de vinte e poucos anos que tinha fetiche pelo estouro de balões, essa era sua forma de obter prazer sexual. O segundo, era de um homen que não tinha orgasmo, mesmo tendo ejaculação e o terceiro, era de um viciado em sexo que até então havia tido relações sexuais com mais de mil mulheres diferentes. Ponto em comum: Todos eles em algum momento questionaram se eram normais e avaliaram se eram felizes dessa forma.
Sem entrar em detalhes sobre cada um dos interessantes casos, gostaria de pontuar que as pessoas que não conseguem ser felizes no amor, às vezes, sentem-se como os três participantes do programa: estranhas. Ao compararem-se com os demais têm a sensação de que algo esta faltando…Alguns relatam ter a impressão de que a “felicidade no amor”não é para eles. Dizem: já tentei várias vezes, mas não tem jeito, isso não é para mim…”. Outras são mais positivas: “não encontrei minha cara-metade, mas não dá para ter tudo mesmo…tenho um bom emprego, uma boa família, amigos que me amam”.
Note que o ninho não está vazio… O rapaz com fetiche pelo estouro de balões encontrou na Internet uma enorme comunidade de pessoas que compartilhava os mesmos desejos. O outro, que não tinha orgasmo, descobriu que 1% da população sofre com o mesmo problema e irá tentar novos medicamentos. O viciado em sexo, depois de perceber-se sempre sozinho, procurou ajuda. Todos encontram uma forma de cura para a dor de sentirem-se sós.
Embora , não existam estatísticas até agora sobre o número de pessoas que se sentem sozinhas e diferentes das demais por não terem encontrado um amor, acredito que a porcentagem supera a soma de todos que têm fetiche pelo estouro dos balões, disfunção do orgasmo e vício por sexo… Ninguem está sozinho neste grande ninho de incertezas, inseguranças, esperanças e, às vezes, dor…
O primeiro passo para sair do ninho parece ser avaliar se esta feliz sozinho. Se a resposta for SIM com um grande ponto final, talvez, a vontade de encontrar um parceiro esteja mais relacionada com uma certa imposição social do que um desejo real. Se a resposta for SIM, MAS…( também gostaria de ter alguém, também ficaria ainda mais se encontrasse uma parceiro…) ou NÃO, está na hora de, assim como os personagens do programa, procurar uma cura para sua dor de sentir-se só! Trace estratégias para sair do ninho.O que você pode fazer?

Sobre a Autora:  Eliana Monteiro é Mestre em Sexologia, Especialista em “Sexualidade Humana”  e em “Gestão de Pessoas e Projetos Sociais”. É Graduada em Psicologia e Teologia, professora universitária e autora de várias pesquisas realizadas e divulgadas no Brasil e no exterior.

Quer ler outros outros artigos da autora? É só escrever Eliana Monteiro na área de pesquisa do site http://soumulher.pt

*“(Strange) Sex” – Nome original do documentario produzido por Sirens Media.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *